quarta-feira, 15 de maio de 2013

Dizem que hoje se comemora o Dia da Família

Mas que família? As famílias estão a desmoronar com as dificuldades que se vive no dia-a-dia. Pais que se separam, filhos que têm de voltar para casa de pais idosos que com parcos rendimentos se vêm com mais bocas para alimentar e que gera conflitos, filhos pequenos que têm de viver num clima de tensão, cujos pais não sabem se têm como lhes providenciar a próxima refeição.
As famílias cada vez são mais pequenas, mais pobres, mais tristes.
Cada vez nascem menos crianças, se adia mais, se tem só um e mesmo assim é luxo. Não se entende como é que alguém queira ter dois filhos, se têm três ou mais ou são ricos ou são loucos.
Não, não existem famílias, existem pessoas que se agregam para fazer frente à probreza, que se juntam para não viverem a situação sozinhas mas que não renovam gerações. Cada vez mais monoparentais, cada vez mais crianças que ficam horas sozinhas porque os pais se matam a trabalhar, aqueles que têm trabalho, para levarem para casa uma miséria de ordenado.
Sim, eu sei que podia falar do Benfica, e do quanto somos bons e que vamos ganhar, mas eu não ligo nenhuma ao futebol.
Também podia falar na Angelina Jolie e na sua coragem de ter feito a mastectomia. Sim, coragem, tomou uma decisão muito difícil, nem quero pensar naquilo que ela passou até ter a coragem de fazer o que fez. Diz ela que pensou nos filhos, e grande exemplo de coragem lhes deu. Desejo-lhe apenas sorte e que a operação tenha resolvido a questão.
Mas, li esta notícia e não consigo deixar de pensar não só naqueles que não têm carne nem peixe, mas naqueles que não têm mesmo nada e que se não fossem os bancos alimentares morriam à fome. Nas crianças que vão para a escola de estômago vazio e que se não fosse o lanche escolar nada comiam, pensando ainda mais naqueles que não estão assinalados e que a nada têm direito. A mim, talvez pelo facto de ser mãe dói só pensar nisso. E lembro-me sempre do senhor com bom aspecto, de aspecto distinto até que me pediu se lhe podia dispensar um pouco de pão para o filho de 8 anos que não tinha forças para ir para a escola quando saí do supermercado.
A família, o nosso núcleo que devia ser o ninho reconfortante quando os problemas nos batem à porta, que ninhos temos hoje?

4 comentários:

Maggie disse...

pois é Nany começa a ser cada vez mais assustador, mas eu acho que podemos sempre ajudar e dar uma mão a quem nos é próximo, pelo menos. Afinal é esse o significado de família que eu aprendi e vi sempre. Vi os meus avós ajudarem algumas vezes os meus pais qdo eu era miuda, fosse com comida que mandavam lá para casa fosse com dinheiro e é assim que acredito que as familias se mantêm, com amizade e com mto apoio. é o que eu faço hoje com os meus pais, não lhes dou dinheiro que para eles podia ser ofensivo mas discretamente qdo vou ao supermercado trago tbém coisas para eles mas depois não lhes aceito o dinheiro, por exemplo. Na verdade não tive uns pais extraordinários mas aprendi com os meus avós a ser uma boa pessoa e a ajudar sempre os meus,
Um beijinho

Maggie

Bonitinha disse...

Aqui não se falou disto, era só em Portugal? Pois a situação está muito difícil e olha, não vai mehlorar nos próximos dez anos. Qando era pequena o Brasil passou por uma crise ainda pior que Portugal, a inflação completamente descontrolada, desemprego, etc. E demorou muito tempo para se recuperar... Infelizmente há muita gente inocente a passar maus bocados, também tenho pena das crianças...
Beijinhos

Beriour disse...

Olá Nany, custa pensar nessas famílias que se vêm de repente sem nada e a mim também me afligem as crianças sem ter o que comer :(

Paula Nogueira Guerra disse...

Fora todos esses problemas ainda há aquelas familias que por tudo e por nada se maltratam... que só vêm o interesse deles á frente e não o bem comum...
Familia, para mim é aquela que tenho em casa, marido e filhos, de resto são pessoas que, mesmo sendo de sangue nos fazem tudo menos bem :(

Um beijo doce e belo post xxxx

 

Template by Suck my Lolly